Blog Produção Jr.

5 passos para implementar o Planejamento e Controle da Produção

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Você verá neste artigo:

5 passos para implementar o Planejamento e Controle da Produção

Em meio à crescente competitividade entre as empresas, desconhecer demanda e o nível de produtividade, ter um alto volume de estoque ou falta de suprimentos, não saber quando contratar ou demitir funcionários e não ter controle sobre a produção podem ser fatores cruciais na permanência da sua organização no mercado. Frente a essas dificuldades, diversas ferramentas e recursos são desenvolvidos, dentre eles o Planejamento e Controle da Produção (PCP).

O que é Planejamento e Controle da Produção?

O planejamento e controle da produção é um processo gerencial que busca conciliar suprimento e demanda, de forma que os processos produtivos ocorram de forma efetiva, ou seja, com eficácia e eficiência. Busca responder questões de o que, quanto, como e quando deve ser produzido, ou seja, auxiliar as decisões relacionadas à aquisição ou desativação de equipamentos, à análise de capacidade, à contratação ou demissão de funcionários etc.

Diversos fatores interferem no PCP, podendo ser relacionados ao produto, ao processo produtivo e ao ambiente externo. Nesse contexto, para a sua implementação efetiva, deve-se classificar o sistema de produção em:

  • Contínuo: produção de grande volume de poucas famílias de produtos semelhantes. Exemplo: indústria têxtil
  • Intermitente: maior variedade de produtos
    • Flow shop: alto volume do mesmo produto ou produtos similares, os quais seguem a mesma linha de produção. Exemplo: indústria de linha branca
    • Job shop: baixo volume de diferentes produtos com diferentes roteiros de fabricação. Exemplo: indústria de móveis planejados
  • Grande projeto: produtos complexos, muitas vezes únicos. Exemplo: indústria naval

É importante ressaltar que, durante a construção do planejamento, toma-se como pressuposto que o comportamento passado se repetirá no futuro, de forma que os dados estudados devem levar em conta variações e serem coerentes com o horizonte de tempo estudado.

Quais os benefícios de implementar o PCP na sua empresa?

Na busca por organização e melhoria contínua na sua empresa, a implementação do PCP torna-se um grande diferencial que traz inúmeros benefícios, como:

  • Redução de custos: reflexo da redução de estoque, da identificação e mitigação de gargalos, de multas por conta de atraso, de gastos com imprevistos e consequente redução do custo total pela melhor eficiência.
  • Investimentos mais assertivos: a partir da análise de capacidade e clareza do que é esperado pelo cliente, é possível direcionar os investimentos para suprir a demanda e melhorar a qualidade.
  • Aumento da produtividade: com o constante acompanhamento através indicadores de desempenho dos planos implantados, é possível tomar medidas que atuem diretamente sobre o aumento da produtividade, uma vez que o cenário da empresa está mapeado e controlado.

 Como implementar o PCP?

  1. Previsão de Demanda: em um primeiro momento, é necessário definir o objetivo da previsão, ou seja, o horizonte de planejamento (curto, médio, longo), a quantidade de produtos a ser prevista e o nível de exatidão esperado. A partir disso, é feita a escolha da abordagem (qualitativa, causal ou baseada em séries temporais) e do método e seus parâmetros (Ex.: Delphi, simulação, média) que melhor se adequam aos objetivos da empresa para, enfim, realizar a previsão da demanda.
  2. Análise da Capacidade: com a previsão de demanda em mãos, analisar a possibilidade de atendê-la é fundamental. Para isso, é feito o planejamento da capacidade para todo o horizonte referente, com o auxílio de um mapeamento de processos e uma cronoanálise. O objetivo é comparar a capacidade necessária com a disponível, e encontrar alternativas caso estejam desbalanceadas.
  3. Plano Agregado da Produção: trata-se do planejamento a médio prazo (de 6 meses a 2 anos), em que os produtos são organizados em famílias. Utilizam-se, nessa etapa, os métodos de planilha ou métodos quantitativos: o primeiro é de baixo custo e flexível à criação de diversos cenários; porém, não apresenta a solução ótima, a qual pode ser encontrada pelo segundo através de softwares de programação linear e inteira mista.
  4. Plano Mestre de Produção: é neste momento em que é feita a desagregação do Plano Agregado da Produção de família de produtos para itens finais. Logo após, realiza-se a programação dessa produção, na qual é definida a ordem, sequenciamento e controle de estoques. Esse também é o momento em que ferramentas estratégicas, como Kaizen e Just in time, podem ser utilizadas.
  5. Controle da Produção: por fim, tem-se a fase final, que ocorre de maneira constante a fim de assegurar o que foi planejado nos passos anteriores. Nessa etapa, é feita a gestão da qualidade e dos processos e implementados os indicadores de desempenho, a fim de buscar melhorias constantes. Para isso, existem ferramentas como o BSC e a Curva ABC que dão suporte a esses acompanhamentos.

Vale ressaltar que esse passo a passo não ocorre apenas uma única vez, mas é um ciclo contínuo na busca de melhorias. Se você se interessou pela implementação do Planejamento e Controle da Produção, entre em contato com a Produção Jr e solicite um diagnóstico gratuito!

Skip to content