Blog Produção Jr.

Novo Coronavírus: Como superar a crise econômica

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Você verá neste artigo:

Novo Coronavírus: Como superar a crise econômica

O novo coronavírus começou a circular na China. Hoje, já considerada uma pandemia, a Covid-19 atinge com maior gravidade pacientes idosos ou com outras doenças que afetem o sistema imunológico e respiratório, além de cardiovasculares.

Por ser um fenômeno que acontece neste momento no mundo todo e não é de fácil controle, ainda são muitas as incertezas acerca da magnitude dos seus efeitos, tanto na economia quanto na sociedade. Muitas são as previsões feitas para o Brasil e o mundo, conheça o que sua empresa pode fazer abaixo.

Previsões

Inicialmente, é preciso entender que tudo começou na China, uma das maiores economias globais. Em 2018, a China concentrou aproximadamente 18% do PIB mundial e é o destino de cerca de 30% de todas as exportações brasileiras atualmente, sendo um dos mais importantes parceiros comerciais do Brasil.

O Ministério da Economia realizou simulações sobre o impacto da epidemia no PIB. Para isso, o órgão selecionou os principais canais pelo qual a Covid-19 pode afetar a economia brasileira:

  • redução das exportações;
  • queda no preço de commodities;
  • piora nos termos de troca;
  • interrupção da cadeia produtiva de alguns setores;
  • queda nos preços de ativos e piora das condições financeiras; e
  • redução no fluxo de pessoas e mercadorias.

Com diferentes previsões e cenários, têm-se que, no mais otimista, o impacto seria de apenas -0.10 pontos percentuais no crescimento do PIB. Em contrapartida, o cenário mais extremo indica queda de 0.66 pontos percentuais.

Por que as empresas são tão afetadas?

A consultoria de risco Marsh publicou relatório que indica que as empresas são afetadas por epidemias por essas levarem a:

  • Perda de mão de obra por causa de doenças e mortes;
  • Aumento de faltas de funcionários e diminuição de produtividade;
  • Rupturas operacionais, como interrupção e atraso nas redes de transporte e cadeias de suprimentos;
  • Diminuição da demanda pelos consumidores; e
  • Dano à reputação, em casos de resposta ineficaz ou comunicação incompleta ou enganosa.

Isso, sem considerar o agravamento desses pontos quando se trata de uma pandemia, que leva os indicadores e medidas protetivas ao extremo.

Minimizando os efeitos

O governo brasileiro reúne esforços para conter os efeitos e evitar a quebra, principalmente dos mais vulneráveis, como idosos, a população mais pobre e algumas empresas de menor porte. Algumas das medidas anunciadas são:

  • Empresas poderão adiar em três meses o pagamento do Simples Nacional e o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores;
  • Facilitação para renegociar crédito e receber insumos de fora, além de reduzir pela metade as contribuições ao Sistema S;
  • Crédito do PROGER/FAT para Micro e Pequenas Empresas com projeção de R$ 5 bilhões;
  • Facilitar o desembaraço de insumos e matérias-primas industriais importadas antes do desembarque;
  • Redução da Taxa Selic para 3.75% ao ano.

Oportunidades

É difícil pensar positivo e em oportunidades em meio a uma pandemia, mas separamos alguns pontos a se considerar:

Redução da poluição na China: pesquisa da Universidade de Stanford, nos EUA, estima que ao longo dos últimos três meses, em quatro cidades analisadas, 77 mil vidas foram “salvas” por conta da drástica redução da poluição atmosférica. Isso pelo menor deslocamento de automóveis e redução drástica da atividade industrial.

Home-office: segundo Felipe Lamounier, head de missões internacionais da StartSe, “a questão do home-office nunca será a mesma depois do surto do coronavírus”. As empresas começariam a adotar essa forma de trabalho para alguns de seus funcionários, mesmo com a normalização da situação da saúde no país.

Serviços online: o isolamento forçado com acesso à rede formará novos hábitos de consumo, forçando a reestruturação de cadeias de suprimento e serviços de logística. A maneira como se trabalha e estuda será repensada no mundo todo. Há ainda a possibilidade de incentivos para o desenvolvimento de novas soluções por engenheiros e cientistas.

Ativos valorizados: além do aumento das vendas de produtos de limpeza e máscaras, por exemplo, o preço do ouro também subiu. Em fevereiro, a cotação atingiu o maior valor em sete anos: US$ 1.682,35 a onça-troy (cerca de 30 gramas).

Prorrogação do pagamento de dívidas: os principais bancos do país anunciaram que vão prorrogar o pagamento de dívidas das pessoas físicas, além de micro e pequenas empresas por 60 dias.

Cursos gratuitos: diversas plataformas de cursos online estão disponibilizando cursos gratuitamente no período da quarentena. Como exemplos, StartSe, Udemy, FGV e Projetou são algumas dessas empresas. Sendo uma grande oportunidade de crescimento para quem vai ter mais tempo livre e quer se atualizar em diferentes temas.

O que todo empreendedor pode fazer?

Em uma Carta Aberta no tema “Coronavírus – reflexões para o ecossistema”, a ACE apresenta algumas medidas preventivas para superar a turbulência:

  • Intensificar o esforço comercial, colocando todo mundo para vender;
  • Esticar o runway com adiamento de contratações não-prioritárias;
  • Dobrar ou triplicar o esforço de comunicação interna com colaboradores, clientes e investidores acerca de seus próximos passos;
  • Revisitar o roadmap de produto para os próximos meses, como foco em retenção de clientes atuais;
  • Atenção à contratação de ferramental com cotação em dólar, visto sua volatilidade no momento atual;
  • Renegociar contratos, dívidas e prazos de pagamentos – aproveitando o novo acordo da Febraban.

Além disso, é importante que as empresas se reinventem no meio online, aprendendo a exercer uma dinâmica virtual e à distância para o trabalho. Isso vai se tornando possível com o uso das diversas ferramentas de videoconferências, planejamento e acompanhamento de projetos, além de aplicativos de entrega de produtos, por exemplo.

Lembrete de proteção

É importante ressaltar que todos devem seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde. Na fase em que a epidemia se encontra no Brasil, o mais importante é garantir que sua transmissão seja controlada, evitando a sobrecarga do nosso sistema de hospitais. Assim, pratique o isolamento, lave as mãos e, se possível, trabalhe em home-office, protegendo a todos de maneira mais efetiva.

Para mais informações acerca do vírus, sua transmissão, sintomas e os cuidados que devem ser tomados, clique aqui

A Produção Jr se encontra a disposição para ajudar aqueles que precisarem se reerguer e se reinventar em meio a essa crise. Nosso compromisso com a sociedade nos faz trabalhar a distância, mas não interrompemos os nossos serviços. Entre em contato conosco para um diagnóstico gratuito clicando aqui.

Skip to content