Blog Produção Jr.

4 passos para calcular o seu retorno financeiro

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
retorno financeiro
Você verá neste artigo:

04 passos para calcular seu retorno financeiro

Teve uma ideia de negócio e não sabe se vale a pena investir? O estudo de viabilidade pode te ajudar!

A análise de viabilidade econômica e financeira é um tema muito falado no mundo dos negócios. Todos sabem que é muito importante realizá-la antes de investir, mas nem todos sabem como fazê-la.

Neste artigo você verá um pouco mais sobre como fazer análise de viabilidade econômica e financeira de uma empresa.

É importante destacar a necessidade de se fazer projeções realistas para o mercado e sempre justificadas por custos, despesas e investimentos em proporções similares.

PARA QUE SERVE O ESTUDO DE RETORNO FINANCEIRO?

Ele se faz importante devido ao fato de medir se um investimento trará retorno ou não para o investidor.

Além disso, torna-se necessário quando é preciso decidir entre dois ou mais projetos e se tem dinheiro para investir em apenas um.

Mas antes de tudo…

O que é investimento?

Investimento é quando você aplica um capital com o objetivo de obter lucro em determinado prazo.

Um exemplo de fácil percepção: Imagine que você é o dono de uma empresa de estamparia que conta com 05 máquinas.  Assim, para estampar 50 camisetas, gasta em média 01 minuto.

No entanto, você está interessado em aumentar sua produtividade, e, consequentemente, seus lucros. Dessa forma, para atingir sua meta, você investirá em mais máquinas. Com isso, nesse mesmo período de tempo, você conseguirá estampar mais camisetas.

Portanto, ao fazer a aplicação de capital em novas máquinas, você atingirá suas metas, obtendo maior lucro, ou seja, houve um investimento.

ETAPAS DO ESTUDO DE VIABILIDADE FINANCEIRA

1)    Projeção de receitas e análise de mercado

A primeira etapa da análise consiste em estudar o mercado, ou seja, saber o nível de aceitação dos clientes sobre determinadas opções de investimento. Com isso, as respostas revelarão informações precisas a respeito das preferências e necessidades do mercado consumidor.

Outro ponto importante é nunca começar a projeção de receitas com alta expectativa, tornando os números mais realistas.

Além disso, deve sempre levar em consideração as oscilações da receita, cogitando um possível aumento nas vendas.

2)     Projeção de custos, despesas e investimentos

A segunda etapa consiste em considerar todas as despesas que envolvem a produção.

Por exemplo, se você resolve abrir uma empresa de xerox, é necessário um investimento inicial em máquinas e utensílios, além da contratação de trabalhadores. Somado a isso, é importante o investimento em marketing para dar visibilidade ao negócio.

Por fim, não se pode esquecer de  uma possível necessidade de reinvestimento, visto que a estrutura da empresa vai se modificar ao longo do tempo. Considerar que a empresa não precisará de futuros investimentos é um erro muito comum.

3)     Projeção de fluxo de caixa

Pela definição, fluxo de caixa é a diferença entre as projeções das receitas e das despesas. Esse cálculo é essencial para uma boa gestão financeira da empresa.

4)     Análise de indicadores

Além do estudo das projeções, é essencial a análise de indicadores. Existem vários indicadores para se analisar a viabilidade econômica e financeira de um projeto.

Com os indicadores é possível criar uma estimativa de lucro e identificar o intervalo de tempo que o capital investido será recuperado. Portanto, descobriremos se o investimento é viável ou não.

Entretanto, antes de falar sobre os indicadores, vale ressaltar sobre a Taxa Mínima de Atratividade (TMA). Ela representa o retorno mínimo esperado para um investimento, considerando a fonte de capital, além da margem de lucro que se espera obter com o investimento.

A TMA varia conforme a empresa, e pode ser julgada de diversas maneiras. Uma referência geral para a TMA das empresas no Brasil é a taxa SELIC, taxa básica de juros da economia brasileira, pois ela afeta tanto o lado do consumidor, quanto do empresário.

Indicadores:

·       Break Even (Ponto de Equilíbrio):

Esse indicador relaciona a quantidade de produtos e serviços que devem ser vendidos para que o empreendimento comece a dar lucro.

·        Capital de Giro:

Esse indicador compreende todos os gastos necessários para o funcionamento da empresa, incluindo desde a compra de matérias-primas ou mercadorias, financiamento das vendas, até o pagamento das despesas.

·        Payback:

Payback é o indicador que mede quanto tempo um projeto levará para gerar os retornos que paguem o investimento. Existem duas formas de se calcular o payback:

  • Payback tradicional: também chamado de payback simples, que não leva em consideração o valor do dinheiro no tempo. Por exemplo, se você investiu R$50.000,00 em uma empresa e ela gera retornos mensais de R$5.000,00, o payback será de 10 meses.
  • Payback descontado: neste caso, considera-se o valor do dinheiro no tempo, pois R$ 10.000,00 em 2018 não condiz com o mesmo valor de R$10.000,00 em 2030.

·        VPL (Valor Presente Líquido):

É um cálculo que determina quanto os futuros pagamentos valeriam hoje descontados os juros e o custo inicial. Desse modo, é possível saber quanto o capital que receberemos daqui a algum tempo estaria valendo atualmente.

fórmula básica é VPL = (Valor presente do capital – investimento inicial). Assim, se o VPL for maior que zero a empresa estará com um retorno maior do que seu custo de capital, ou seja, seu negócio é rentável.

 AGORA?

Agora que você entende a importância e os benefícios do estudo de viabilidade econômica, é necessário que você faça uma avaliação da sua empresa, definindo se ela requer ajuda profissional.

Podemos ajudar na avaliação analítica do seu negócio. Entre em contato e agende um diagnóstico gratuito!

Skip to content